Berlin a Dresden – da capital à fronteira Tcheca

Berlin – Trebbin – Dresden

O sol apareceu forte no dia em que saí de Berlin. Finalmente pude pedalar só de camiseta, apesar de contar com a presença frequente do vento, o que não me intimidou. Acredito que nesse momento meu organismo já estava se acostumando com o clima, além do fato da temperatura estar subindo. Na saída da capital, embora meu destino fosse Dresden, no sentido sul, fiz um pequeno desvio para passar por Potsdam, um municipio com 75% da sua superfície coberta por área verde. Os 25% de área construída abrigam importantes edificios históricos, que levaram a UNESCO a conferir-lhe o título de Patrimônio Cultural da Humanidade.

Restaurante em palacete no Grunewald

Restaurante em palacete no Grunewald

Para chegar em Potsdam peguei o caminho pelo Grunewald, um belíssimo parque nas imediações de Berlin, que apesar de ser um pouco montanhoso valeu muito a pena. A estradinha no meio da floresta, passando por pequenas praias a beira de uma represa cheia de verde foi perfeita para aquele dia de sol. Era o caminho mais comprido, mas também o mais bonito, inclusive com um pequeno restaurante numa torre de castelo, no meio do nada. Também passei por pequenas cidades à beira da represa, com seus Bier gartens e restaurantes estrategicamente localizados com vista para o “mar”. Meu ânimo estava a toda, depois de conhecer Berlin, sair num dia maravilhoso de sol, passar pelo Grunewald e até fazer uma pausa em uma pequena praia, me sentia totalmente renovado.

IMG_1613

Entre Berlin e Potsdam

Apesar de me perder um pouco quando saía de Potsdam, consegui chegar na pequena Luckenwalde, onde mais uma vez acampei na floresta. O dia de sol e a promessa de uma semana quente me fizeram lavar boa parte das minhas roupas no final de tarde, e deixá-las fora da barraca para secar durante a noite. Me sentia totalmente à vontade na floresta, minha barraca se tornou minha casa e meu único refúgio. Foi então que o mais óbvio aconteceu: uma chuva forte caiu durante a noite, e de manhã toda minha roupa estava encharcada! Mesmo sem muita perspectiva de ir longe naquele estado, arrumei minhas coisas, dobrei minha barraca também molhada, e tentei seguir viagem. Em poucas horas percebi que não chegaria a lugar nenhum naquelas condições, a roupa que eu estava usando também já estava ensopada e eu não tinha mais roupa de troca. Com o frio minha capacidade de achar uma solução foi ficando prejudicada e optei pelo mais conveniente: pegar um trem até Dresden._MG_6238

IMG_1635

Um dos palacetes de Potsdam

IMG_1646

Em Potsdam carregando o peso do mundo!

Foi a primeira vez que abri mão de pedalar em um trecho da viagem, e isso me perturbou um pouco. Quando estava sentado no trem no meio do percurso até Dresden, olhei pela janela e tive uma sensação estranha ao observar a paisagem. Ali no fundo, nos caminhos que cortam as fazendas, percebi que algo estava faltando. Eu deveria estar ali mas não estava. Eu deveria fazer parte daquela paisagem, como fora até aqui, e não ser apenas um espectador. Mas não me arrependo em momento algum de ter pego o trem, além de ser uma solução rápida e eficiente para aquela situação, foi uma experiência única, já que no Brasil não temos tantas linhas de trem para passageiros, ainda mais com a infra-estrutura do sistema alemão.

IMG_1657

A floresta!!!! Não guardo rancores da chuva, ainda amo a floresta!

IMG_1662

O ponto alto de Dresde (brincadeira) – a bike dentro do quarto

Cheguei em Dresden, ainda com chuva e me estabeleci em um albergue próximo à estação de trem. A previsão do tempo indicava tempo ruim também nos dois dias seguintes. Se o quarto que eu arrumei não fosse um dos mais caros que eu me hospedara até aqui, teria ficado esperando a chuva passar. Mas esse não era o caso. Decidi que não iria passear muito pela cidade e sairia no dia seguinte, logo cedo, já em direção a Praga, na República Tcheca. A próxima noite certamente não seria mais em território alemão.

IMG_1634IMG_1655_MG_6244

IMG_1625 IMG_1644

IMG_1647_MG_6264

Advertisements

2 responses to “Berlin a Dresden – da capital à fronteira Tcheca

  1. Interessante sua proposta, mas uma pena não ter curtido a bela cidade de Dresden. Espero ao menos que no caminho a Prag tenha passado pelos castelos que margeiam o rio Elba.

    • Pois é Leandro, ainda fiquei sabendo que Dresden é uma cidade com um viés artistico muito forte. Uma pena mesmo! Vou postar as impressões do caminho para Praga, espero que você goste! Abs!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s